Os Cavalos de São Marcos

Lendo o livro Inferno, de Dan Brown, me deparo com uma citação sobre Os Cavalos de São Marcos, a qual transcrevo a seguir:

“Os corpos poderosos dos frísios serviram de inspiração para a estética robusta dos Cavalos de São Marcos. Segundo o site que Langdon consultara, as estátuas dos animais eram tão belas que haviam se tornado “as obras de arte mais roubadas da história”.” (pg. 306)

Resolvi então, pesquisar sobre elas!

Bom, não achei nada sobre terem sido a obra de arte mais roubada da história, mas segue um relato dos diversos destinos destas belas estátuas.

Os Cavalos de São Marcos (ou Cavalos de Bronze de Constantino) são quatro estátuas em bronze, em tamanho real, feitas no século IV a.C. sob encomenda de Plínio e atribuídas ao escultor grego Lisipo.São tidas como uma das melhores criações da Europa!

Os imensos cavalos, apesar do peso e dificuldade de transporte na época, passaram por diversas cidades:

  • No século II foram levadas para Roma pelo imperador Trajano e instaladas sobre o arco de Trajano;
  • No século IV foram enviadas a Constantinopla, nova capital do império, sendo expostas no Hipódromo de Constantinopla;
  • Em 1204 Enrico Dândolo – então doge de Veneza, se apoderou dos cavalos durante o saque de Constantinopla pela Quarta Cruzada, sendo instalados na fachada da Catedral de São Marcos em Veneza;
  • Em 1797 Napoleão conquistou Veneza e tomou os cavalos para si, levando-os a Paris, onde ficaram no alto do arco do Triunfo.
  • Em 1815, após a derrota de Napoleão em Waterloo, as estátuas foram devolvidas à Veneza onde se encontram até hoje. No topo do arco foram colocados réplicas.

Devido às intempéries do tempo e efeitos da poluição, as estátuas originais foram colocadas no museu da Basílica em 1980, na fachada ficaram réplicas em fibra de vidro.